Transbordo solidão

PEREIRA, MAHELLE //

em soneto
o auto retrato
remoo vidas
desespero
afogo mágoas
lavo alma
transbordo solidão
companheira única
do presente
que passado deixou
não me reconheço
reflexo
mergulho profundo
deságuo ruínas
pedaços de mim
coração já não bate
voz ressoa
Canção do Exílio
em cômodo
faço abrigo
bebo dores
rogo a Deus
que não me salvou

será o fim?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *