Quanto mais diversidade, melhor: assista ‘Special’, série da Netflix

Por Tamyres Matos, jornalista e colaboradora do blog//

A inclusão da diversidade na mídia tem um papel importante para a formação de consciências quando falamos de um público cada vez mais sedento por referências da cultura pop. As produções da Netflix, entre erros e acertos, costuma investir mais em corpos diversos do que os grandes canais de televisão.

A nova série de comédia do canal de streaming “Special” que aborda uma virada na vida de Ryan Hayes, jovem homossexual que tem paralisia cerebral e vive com a mãe, é um dos exemplares de ficção de altíssima qualidade tanto para entreter quanto para ampliar os horizontes no olhar humano consigo mesmo e com o outro.

Com episódios de aproximadamente 15 minutos, o seriado escrito e estrelado por Ryan O’Connel é doce, intenso e sincero ao tratar de temas delicados a respeito da pessoa com deficiência. São vários pontos positivos. A relação do protagonista com a sua mãe (Karen Hayes, interpretada com sensibilidade e talento pela atriz Jessica Hecht) é um deleite, podemos dizer que é o principal destaque da trajetória. As asperezas do amadurecimento, das mudanças, dos desejos individuais em contraposição ao relacionamento… junto à força de amar tanto alguém, mas tanto, que por vezes esquecemos que devemos cuidar de nós mesmos.

A série é inspirada na biografia escrita pelo próprio Ryan O’Connel e consegue abordar com humor o que por muitos ainda é considerado tabu: sexualidade da pessoa com deficiência, o caminho para a autoaceitação no mundo comandado pelos “normais” e por aí vai. De quebra, ainda questiona os padrões de beleza e as limitações impostas pelas redes sociais, fala sobre estilo, amizade, responsabilidade afetiva… seus oito episódios da primeira temporada deixam um saboroso gostinho de quero mais.

A mensagem mais importante de Special é: vá além da superfície. Olhemos com mais atenção. Cada um de nós é um universo. Erros, acertos, sonhos, fracassos, sucessos… temos uma lista imensa de potencial e subjetividade que deve ser lembrada toda vez que pensamos em diminuir alguém seja por pena, seja por desprezo. Somos e não somos especiais, é só alterar o ponto de vista. Sejamos especiais para quem nos rodeia.

Curiosidades:
O título do livro autobiográfico que inspirou a série é  I’m Special: And Other Lies We Tell Ourselves (Sou Especial: E Outras Mentiras que Contamos para nós Mesmos).

Se você já viu o seriado e achou a mãe de Ryan familiar, mas não lembrou de onde a conhece, ela interpretou Susan Bunch, par romântico da ex-mulher de Ross Geller (Carol Willick) em Friends.

Augustus Prew, intérprete do interesse romântico de Ryan, Carey, fez o filho de Rachel Weiss no filme Um Grande Garoto.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *